Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Vim para o estrangeiro
Qui 23 Abr 2015 - 15:27 por Marina Coelho

» O nosso cão corresponde às nossas expectativas?
Sab 12 Out 2013 - 13:00 por Inês Lima

» Atitude agressiva, ajuda!
Sex 27 Jul 2012 - 8:59 por floijdt

» O CÂO DE PASTOR ALEMÃO
Qui 12 Abr 2012 - 14:38 por canil daktari

» Problemas de comportamento...
Qui 22 Mar 2012 - 9:07 por Careto Chinês

» American Staffordshire Terrier agressivo com os donos
Sab 3 Mar 2012 - 9:04 por floijdt

» American Staffordshire Terrier
Ter 28 Fev 2012 - 17:46 por tonny

» Comportamento
Qua 16 Nov 2011 - 13:20 por Julieta Silva

» Cadela e as necessidades
Seg 14 Nov 2011 - 9:55 por floijdt

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar

Saltar com as patas para o nosso peito

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Saltar com as patas para o nosso peito

Mensagem  floijdt em Sex 9 Jan 2009 - 5:34

Boa tarde Silvio,

Tenho uma cachorra com 8 meses, muito enérgica, adora brincadeira. Passamos muito tempo juntas e entre nós há uma ligação muito forte.
Contudo de todos os cachorros que já tive, esta é de facto a que mostra mais " temperamento", para tudo, mas é muito meiga também. Mas parece-me muito teimosa, isto porque quando está solta ( sem estar na trela) tem o hábito de saltar, e colocar as patas sobre mim, e mesmo eu já ralhando vária vezes, fica tão ansiosa que não se controla, contudo quando anda na trela não faz esses saltos.

A minha pergunta é se poderia sugerir alguma técnica que eu pudesse experimentar para diminuir esta mania que ela tem de saltar?

Obrigado

Ana Maria
_________________________________________

Ana Maria

O problema da sua cadela é ter um instinto gregário muito desenvolvido, existe uma ligação consigo muito profunda e muito interdependente. A Ana gosta e precisa de expressar o seu contentamento por a ter como amiga e parceira acariciando-a sempre que quer, mas já não admite nem permite que a sua amiga faça o mesmo.

Quantas mais vezes lhe ralhar mais potencia a sua ansiedade pois ela sente-se insegura e com receio de a perder.

Para resolver este problema vai adoptar três medidas:

1ª Diminuir o instinto gregário - Vai desvalorizar a atitude dela em lhe colocar os patas. Vai diminuir a quantidade de vezes em que a acaricia e também a sua intensidade. Vai estipular alguns momentos do dia em que lhe vai dar atenção e lhe dar o tal afecto. Nas outras alturas do dia ignora-a.

2ª Corrigir o saltar com as patas para o dono - Sempre que ela tentar saltar, vai-se virar de costas para ela e andar noutra direcção ignorando-a. Sem ordens, sem gritar, sem bater, sem puxar a trela ou a coleira, nada, pura e simplesmente voltar-se e ignorá-la. O acto de ignorar um cão é o maior castigo que lhe podemos dar.

3ª Reforçar comportamentos positivos - Vai reforçar sempre que ela mostrar uma postura calma e contrária à ou às atitudes que estamos a tentar corrigir. Se utilizar o clicker vai ver que terá uma ajuda de peso.

Faço votos para que tenha ajudado.

Um abraço
__________________________________

Bom dia Sílvio,

Antes de mais agradeço a sua resposta. Não tinha visto ainda a situação por esse ponto de vista e, de facto clarifica-me bastante o comportamento da minha cachorra.
Acho que o Sílvio tem razão é uma questão de interdependência comigo, porque ela não o faz sobre as outras pessoas da casa, ou de fora.
Vou seguir as técnicas que me indica, e tenho pensado em experimentar o uso do clicker para treinar com ela. É uma novidade para mim também porque nunca treinei um cão meu com o clicker, mas sei que é um instrumento excelente.

Cumprimentos.

Ana Maria
_____________________________________

Bons dias Sílvio

A minha cadela dogue alemã veio cá para casa já com 10 meses e trazia o mau hábito de saltar para as pessoas como forma de cumprimentar. Os antigos donos incentivavam este comportamento e tenho tido imenso trabalho para acabar com ele.
Já está muito melhor mas em situações de grande excitação ainda o faz.
No entanto no meu caso tive receio de utilizar o método aconselhado pelo Sílvio porque corro sérios riscos de cair se o fizer. É que ela já pesa mais do que eu e de pé fica também mais alta. O risco de me desequilibrar é grande.
Tambêm nunca utilizei o método da joelhada pelos mesmos motivos pois poderia desequilibrar-me
O que tenho feito é ralhar dizendo não com voz firme e acabar imediatamente com a brincadeira ignorando-a sempre que ela faz isso. Se possível viro-lhe mesmo as costas.
De notar que cá em casa vivem 4 pessoas adultas sendo 2 delas idosas e a cadela nunca saltou para os idosos. Comigo já só o faz muito muito esporádicamente ( sou eu o lider ) mas continua a fazê-lo com demasiada frequência com o meu marido o que é bastante aborrecido. Aliás ela acata muito melhor as ordens dadas por mim do que pelo meu marido.
Qual a sua opinião? Acha que conseguirei desabituá-la completamente desta forma?

Muito obrigado.
___________________________________


Geralmente as alturas de excitação dos cães verifica-se na chegada a casa dos donos ou em períodos de brincadeira e de interacção mútua.

Aconselho-a a que quando chegar a casa pura e simplesmente a ignore. Passados vinte minutos, ou quando ela acalmar, vá ter com ela com calma e cumprimente-a. Se ela eventualmente se começa a excitar, acabam-se as atenções e ignora-a novamente. Vá reforçando sempre as atitudes contrárias ao comportamento a corrigir. O clicker é uma ajuda importante. É provável que demore um pouco mais tempo do que com um cão de porte médio, mas de certeza que com persistência consegue alcançar os seus objectivos.

Sílvio Pereira
___________________________________

Olá,
Desculpem "meter a colherada" à conversa. Gostaria de deixar a minha experiencia que vejo aqui indicada pelo Sílvio.
Tenho um Lab com 3meses. Ele é simplesmente a luz cá da casa!
Antes de o ter, fui obrigada a investigar bastante sobre o que é ter um Cão (uma vez que o resto da família não aceitava a ideia).
Nessa busca de informação, foi-me recomendado pela criadora (Angela - Dear´s Valley ) o Livro "A Encantadora de Cães".
Num dos capítulos do livro é descrito a atitude de "ignorar o cão" (como explicou o Sílvio). Confesso que o Klein serve de Cobaia para as lições referidas nesse livro!
Ao fim de uma semana de cá estar o Klein começou a comportar-se como a Ana Maria descreveu! É um comportamento muitas vezes adorável, outras insuportável!
Decidi seguir as indicações do livro, e tentar (com MTO esforço) ignorar o meu Klein !
Custou, mas o resultado foi (e tem sido!) excelente! Aquele malandro fofinho agora senta-se antes de eu abrir a porta da cozinha (e não se atira com as patas!), e aguarda que eu lhe va dar atenção!
É incrivel ver a reacção dos animais! Fantástico!

Obrigada,
Paula
avatar
floijdt

Mensagens : 82
Data de inscrição : 22/12/2008
Localização : Vale de Lobos - Sintra

Ver perfil do usuário http://www.dobermann-pt.com/ccvl

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum