Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Vim para o estrangeiro
Qui 23 Abr 2015 - 15:27 por Marina Coelho

» O nosso cão corresponde às nossas expectativas?
Sab 12 Out 2013 - 13:00 por Inês Lima

» Atitude agressiva, ajuda!
Sex 27 Jul 2012 - 8:59 por floijdt

» O CÂO DE PASTOR ALEMÃO
Qui 12 Abr 2012 - 14:38 por canil daktari

» Problemas de comportamento...
Qui 22 Mar 2012 - 9:07 por Careto Chinês

» American Staffordshire Terrier agressivo com os donos
Sab 3 Mar 2012 - 9:04 por floijdt

» American Staffordshire Terrier
Ter 28 Fev 2012 - 17:46 por tonny

» Comportamento
Qua 16 Nov 2011 - 13:20 por Julieta Silva

» Cadela e as necessidades
Seg 14 Nov 2011 - 9:55 por floijdt

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar

Reacção perante situações novas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Reacção perante situações novas

Mensagem  floijdt em Qua 21 Jan 2009 - 4:14

A minha cadela, em certas coisas superou as espectativas, noutras nao foi bem o que esperava...

Ela é muito meiga, sociavel, e muito submissa com pessoas, com outros animais nunca tive problemas (nem com gatos e eu não tenho gatos em casa).
Só que ás vezes é um bocado esquisito com situações novas para ela, porque tanto reage com curiosidade e assim, como ás vezes tem medo... isso é que não compreendo muito bem nela...
Raramente ladra nem rosna a ninguem, nem nenhum animal, eteja em casa, narua, solta ou a andar á trela...

è bastante obdiente, e é facil ensinar lhe as coisas....

Luís
_____________________________________

Bom dia Luís

Em primeiro lugar gostava que me informasse qual a raça da sua cadela, depois que me dissesse com que idade a foi buscar ao criador e se o mesmo (se souber) tinha efectuado um programa de socialização correcto e nas alturas adequadas. Se se lembrar de mais algum pormenor importante agradecia que me informasse. O objectivo é contextualizar o trauma que a sua cadela apresenta em certas situações. Diga-me também quais as situações em que ela reage de maneira estranha.

Obrigado.

Sílvio Pereira
________________________________

A raça dela é American Staffordshire Terrier, por isso penso que deveria ser um pouco mais corajosa do que aquilo que é lol.

fui buscá-la com 2,5 meses.

acho que ela apenas estava com os irmaos, e os outros caes do criador... fora disso ACHO que nao fez mais nada.

veio para minha casa passado uma semana certinha esteve internada com parvovirose, e quase que não se safava... mas acho que isso nao tem muito haver (digo eu)..

Ela tem bastante medo de certos barulhos tipo trovoada e foguetes...
Aqui comemora-se o S. Joao e entao há sempre muitos foguetes, ela desde ai ainda tem mais medo de foguetes, e no dia seguinte ao S.Joao ela ate tinha medo de uma porta que batesse com mais força...

Em pequena, quando começou a ir a rua, tinha muito medo de camioes e autocarros, mas agora ja quase perdeu esse medo...

Tambem tinha medo de um familiar que veio passar aqui uma semana (esta semana que passou) nao sei se por ele ter uma voz muito grave ou alguma coisa no genero, sei que se ele estivesse quieto ela ia para a beira dele, mas bastava ele mexer-se um bocado mais rapido, bater palmas virado pa cadela, ou falar que ela saia da beira dele e começava a ladrar (coisa que raramente faz...)


Aguardo resposta
Cumps

Luís
_____________________________________

Luís:

Coragem tem a ver com confiança. Um cão desconfiado nunca será um cão corajoso.

O dever de um criador não é só introduzir os cachorros no resto da comunidade animal que tem em casa, mas também colocá-los perante todas as situações e barulhos com que se irá confrontar no dia a dia quando for adulto. Como já disse noutros tópicos, a fase de socialização inicia-se às 4 semanas e prolonga-se até às 12 com a primeira manifestação de medo. O facto de estar internada com a virose impossibilitou-a de, numa fase crucial da vida dela, poder integrar-se na sua nova comunidade (matilha humana). A ausência dos referidos barulhos de foguetes, de portas a bater e outros, durante a fase de socialização, impossibilitou-a de reagir normalmente depois de adulta.

Aconselho-o a resolver esse problema da seguinte maneira:
Vai comprar estalinhos de carnaval (daqueles que se lançam ao chão e fazem o barulho de uma pequena bomba), pede a alguém para os lançar longe da cadela mas de maneira que ela oiça. Você, perto dela, acaricia-a e se ela não demonstrar medo, dá-lhe uma guloseima. Faz isso com intervalos de um dia mas aproximando cada vez mais o barulho, sempre na positiva e sem ansiedade, vai ver que ao fim de uns tempos o problema estará praticamente ultrapassado.

Em relação ao problema com o seu familiar deu-me poucos elementos e teria que verificar "in loco" o tipo de reacção de um e outro intervenientes.

Na presunção de que o ajudei, fico ao seu dispor para as dúvidas que ainda persistirem.

Sílvio Pereira
__________________________________

ok muito obrigado por responder e peço desculpa nao ter respondido antes mas nao estou em casa...

vou tentar fazer isso logo que esteja em casa e com a cadela... quero ver a reaçao dela... Espero mesmo que ela perca o medo disso...

E para que um cao ganhe autoconfiança o que se deve fazer??

Isso do meu familiar ja passou, foi so nos 2 primeiros dias... depois ele esteve afalar com ela ( e a dar uns biscoitos) e ela ficou logo a gostar dele... mas sempre com um pe atras....


Cumps

Luís
_____________________________________

Os lobitos adquirem auto-confiança através da disputa de pseudo-lutas entre os irmãos, que são constantes na fase de infância (4 a 12 semanas), qualquer coisa serve para disputar a posse: um pau, um ramo de árvore, um ratinho, etc., cada contenda ganha, cada degrau vencido na consolidação da confiança de cada um.

Com os cães é precisamente a mesma coisa. Normalmente, durante a fase referida, é habito verem-se os cachorros de uma ninhada entretidos em "lutas" entre eles. O papel do criador aqui é crucial. Para aumentar os níveis de confiança de toda a ninhada é colocado à disposição deles qualquer coisa que os convide à disputa pela sua posse. Um trapo forte, por exemplo, para cada um puxar por uma ponta e ver qual ganha. Além de consolidar os laços de unidade da matilha, desenvolvem-se os níveis de auto-confiança de cada um e, o que também é muito importante, fortificam os músculos do maxilar e toda a estrutura muscular empregue para o objectivo final: ganhar o objecto.

Se queremos medir a sua destreza, rapidez de reflexos e instinto de caça, podemos, por exemplo, atirar uma bola de ténis para o meio da ninhada, aquele que primeiro chegar à bola, a agarrar e levar para o ninho, é o mais apto e, por conseguinte, o mais confiante uma vez que conseguiu concretizar os objectivos a que se propôs.

No caso da sua cadela, uma vez que ela foi impedida de passar por estes rituais, aconselho-o a brincar com ela com qualquer objecto de que ela gosta muito: um churro, um trapo forte, um brinquedo de corda, qualquer objecto que dê para puxar, e procede da seguinte maneira:

- Vai frustrá-la bastante (simule que lhe dá o objecto mas não dá, vai fazer isto diversas vezes até achar que ela já está bastante motivada), quando vir que é a altura ideal, deixa-a morder o objecto, luta um pouco com ela (puxa um para cada lado), e depois deixa-a ganhar o motivador. Entretanto, segundos antes de lho dar, faz um grande teatro como se ela realmente tivesse mais força e você fosse mesmo obrigado a larga-lo (pode mesmo simular uma queda e deixar-se arrastar).

Faça isto diversas vezes, pois é muito provável que lhe aumente os níveis de auto-confiança.

Depois diga-me qualquer coisa.

Sílvio Pereira
____________________________________


Ok, muito obrigado por respnder, vou começar com este tipo de treino para a semana que vai entrar, porque agora eu nao estou com ela... mas para a semana que vem eu começo e depois digo qualquer coisa..


Ja agora, depois para "medir" a autoconfiança dela, como posso ver isso???


Cumps

Lúis
_______________________________________


O restabelecimento progressivo da confiança e auto-estima afere-se através da alteração de comportamentos e, como tal, da própria atitude perante o ou os traumas que a condicionavam.

Posso afirmar que essa alteração não se irá processar de forma rápida ou instantânea. Vai ser necessária muita paciência e persistência da sua parte, mas não desanime pois, o maior bem no relacionamento entre dono e cão é a existência de parte a parte de atitudes positivas e geradoras de confiança e cumplicidade.

Disponha sempre:

Sílvio Pereira
avatar
floijdt

Mensagens : 82
Data de inscrição : 22/12/2008
Localização : Vale de Lobos - Sintra

Ver perfil do usuário http://www.dobermann-pt.com/ccvl

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum